27 janeiro 2013

Doce e amargo ao mesmo tempo!



  Sofre mais quem se doa mais, quem acredita mais, quem ama mais, quem é mais de verdade. A vida é uma coisa engraçada, incrível e indecifrável. Dá pra acreditar nas voltas que ela dá? E tudo acontece tão naturalmente que a gente nem percebe. Nem percebe o quanto a gente cresceu, o quanto a gente já aprendeu, chorou, sorriu e foi feliz. Que a gente é um bebê e de repente, estamos numa entrevista de emprego ou comprando um carro. Que a gente deixa de sentir falta de algumas pessoas e só lembra delas de vez em quando, algumas a gente lembra de vez em nunca. E que as pessoas mais importantes das nossas vidas entram sem bater na porta. Às vezes fazem bagunça e vão embora, às vezes ficam pra ajudar a arrumar.

        A gente sempre acha que "dessa vez aprendeu", que não vai mais se entregar e que o amor é para os bobos.  E é mesmo. Quem não fica bobo quando está apaixonado, que atire a primeira pedra. Aí a gente se apaixona de novo e esquece disso. Na verdade, a gente não esquece, a gente só não consegue deixar de acreditar no amor. Aliás, não dá pra não acreditar no amor. Porque o amor é o que move os sonhos, motiva as conquistas, não nos deixa desistir. Seja o amor pelas pessoas, por si próprio, por se sentir bem ou até mesmo por simplesmente viver. 

        A gente entende que não existe príncipe no cavalo branco ou o cara da sua vida. Simplesmente, algumas pessoas estão determinadas a fazer o relacionamento dá certo e outras apenas desistem no primeiro obstáculo. E que quando a gente sofre por amor, esquecemos que quando a gente começa a se sentir bem, é gostoso demais. Ninguém tem culpa quando o amor vai embora. Você pode dar certo com o seu primeiro amor ou sofrer bastante por alguns idiotas para finalmente encontrar alguém que te complemente. 

        Reclamamos da tristeza mas, sem ela, não daríamos tanto valor a felicidade. Talvez felicidade nem existisse. Viver é isso, conseguir se estabilizar em instabilidades. É curtir ao máximo o momento de sorriso, por ter aprendido muito com o choro. É saber que assim como a tristeza, a felicidade também passa e por isso, aproveita-la muito. É não ter medo de ser quem é por medo do que os outros possam pensar. É saber que as pessoas vão te magoar muitas vezes e algumas não vão se importar com isso, mas outras, mesmo que poucas, vão fazer de tudo para estar ao seu lado, mesmo quando você não quiser. E que também vamos machucar as pessoas, mesmo que sem querer. É inevitável.

        Pessoas que não gostamos, podem se tornam nossas melhores companhias e pessoas que criamos apreço imenso pode nos virar as costas. Por mais que briguemos com nossas mães e pais, depois de um minuto de raiva, vai passar. É verdade que a família reúne as pessoas mais importantes da nossas vidas. Também vamos partir de muitas vidas, deixar saudades, assim como deixam na nossa também. Uns chegam pra ir embora, mas marcam para sempre. Outros, vem e ficam para dar mais felicidade aos nossos sorrisos.

        A gente ainda vai chorar por muita coisa que não vale a pena e dizer que aprendeu, mas a verdade é que ainda temos tanto pela frente. E por mais incrivelmente clichê essa frase seja, não há mais verdadeira: "tudo tem seu tempo". A vida ainda vai nos levar por caminhos que pensávamos ser impossível de trilhar, vai nos tirar, trazer e reapresentar pessoas. Sorriso, raiva, tristeza, alívio, plenitude, soluço, dor, reflexão. E ao final de cada "caminhada", estamos orgulhosos do quanto aprendemos e amadurecemos, mas teremos a plena certeza de que o futuro muito reserva. A gente só não deve desistir.

Esperança é um sentimento lindo de se cultivar.

Texto por :Amanda Souza


Nenhum comentário:

Postar um comentário